sexta-feira, 8 de maio de 2009

REFLEXÃO - MÃE, MAMÃE, MÃEZINHA, MANHÊÊÊ!!!

— É isso. Não importa que nome tenha ou de que modo seja chamada: mãe, mamãe, mãezinha, manhêêê!!!, pois, é tudo igual no fim das contas.

Como assim tudo igual? Nunca! A minha é só minha e de mais ninguém (ainda que eu tenha muitos irmãos!), só ela sabe das coisas que gosto e do jeito que gosto, só ela é capaz de compreender e perdoar meus inúmeros defeitos (e tenho vários!), somente ela faz tudo por mim com o coração, e, principalmente, sabe "puxar minhas orelhas" nas horas certas, ainda que doa (nela!). Meu pai tinha medo de perder espaço para mim quando nasci e, embora ela negue e se dedique também a ele, de fato, perdeu!(rs). Sei disso porque o tempo dispensado a mim foi maior na infância: fraldas, amamentação, dentição, banhos, pediatra, idas à escola entre tantas outras coisas. E, continuando, minha mãe é a melhor de todas! Após a infância, depois que aprendi a engatinhar e, finalmente, a andar com as próprias pernas, lá estava ela querendo saber com quem eu fazia amizades e por onde caminhava. Na adolescência, entremeio à louca transição biológica típica da fase, distanciamo-nos, contudo, sabia que ela não dormia sossegada enquanto eu não chegasse a salvo em casa. Cresci, trabalhei, namorei, casei... tive um bebê em meus braços e senti toda a emoção que é possível somente aos que passam por tal experiência, antes disso, somente conjecturas e especulações. Soube valorizar tudo o que ela me dizia até então e repito as mesmas coisas. Tornou-se a melhor avó! Duvido que haja outra igual, discordo!

— Ah, é? Pois digo que minha mãe é igualzinha a sua, sem tirar nem pôr. As mesmas preocupações e ansiedades, os mesmos carinhos e desvelos. Aliás, há quem diga que são anjos em nossas vidas e eu acredito que sejam mesmo. Ei! E você aí! É! Você, oras! Quem mais está ouvindo a conversa? Diga qual de nós tem razão nessa história? Mãe é tudo igual ou não?

Bem, amigos da blogosfera, deixo para cada um de vocês a reflexão desta sexta-feira, antevéspera do Dia das Mães!
Com certeza, os pais não devem se chatear, eles também têm seus predicados, inclusive, com o advento dos diversos e diferentes tipos de famílias - foi-se o tempo em que "família" era pai, mãe e filhos, cada qual com sua função predeterminada hierarquicamente - no mundo atual, já existem os denominados "pães" (mistura de pais com mães), são eles que substituem as mulheres que não se importam (e nem querem!) assumir a função maternal, e, muito menos, comprovar que existe o tal "instinto maternal", porque se existisse realmente, eu não saberia de tantas barbáries cometidas por mulheres contra os pequeninos. Ah! Essas são inomináveis!
Inclusive, dentre várias músicas do Legião Urbana que gosto, uma em especial, intitulada "Pais e Filhos", traz essa questão familiar de modo muito interessante e profundo, suscitando seus vários tipos na sociedade, várias frases que ouvimos quando crianças ou que dissemos também, e, de quebra, trazendo à tona uma questão existencial:"É preciso amar as pessoas como se não houvesse amanhã, por que se você parar pra pensar, na verdade não há".
Os mais próximos sabem que meu blog começou com o incentivo de uma sobrinhamiga,(a Cris) e, particularmente, tem sido uma experiência ótima, tenho colocado em prática algo que me faz bem, pois, as palavras completam aquilo que não é visível nem palpável. E, quanto à comemoração do Dia da Mães, terei meu primeiro dia sem a minha, também este blog tem preenchido o vazio que ficou depois de sua partida. Aqui postei alguns textos que surgiram dessa saudade e que funcionam como elo de ligação que ainda temos, afinal, mãe é para sempre! Não é? Eu espero que seja (mos). Tenho meu filho e quero dar o melhor de mim, quero sim ser a melhor mãe do mundo, adoro ouvir aquele "mamãe" de segundo em segundo que até cansa os ouvidos, às vezes! (rs). É maravilhoso experimentar a maternidade na sua plenitude! É um presente divino que só posso agradecer!
Aos filhos: presenteiem suas mães com os mimos que elas gostam, contudo, o melhor de todos os presentes é ver que os bons conselhos foram seguidos, que respeitam todos os esforços que foram feitos para educá-los e que valeu a pena "padecer no paraíso!".
Às mães: continuem sendo únicas para todos eles! É isso. Não importa que nome tenham ou de que modo sejam chamadas: mãe, mamãe, mãezinha, manhêêê!!!, pois, é tudo igual no fim das contas, embora, todos discordem disso, porque a MINHA MÃE É E SEMPRE SERÁ A MELHOR MÃE DO MUNDO!

Fonte da imagem: arquivo pessoal by Studio Matos

(não autorizada a sua reprodução)

8 comentários:

tita coelho disse...

Jô que bacana tua reflexão, uma linda homenagem!
Bem... Mães são todas iguais e como diz o ditado... Só muda o endereço. Ainda tenho a sorte de ter minha mãe por perto, bem já comentei aqui no teu blog uma vez!
Sei que o dia que ela se for vou sentir muitas saudades apertadas... Mãe não existe substituta!
Beijos Jô

digitaqueeuteleio disse...

Jô, eu discordo, a MINHA MÃE é a melhor mãe do mundo..rsss

Tenho tantas recordações da infância com ela, que muitas delas eu nem sei dizer onde estava pai, irmãos, parentes, porque a memória só me diz que "naquele dia que fui para tal lugar com a minha mãe..." ou "a minha mãe foi comigo à banca comprar aquelas revistinhas de aquarela...", que só existia nós dois, mais ninguém. E até hoje me pergunto como isso, se eu não sou filho único? A sensação que ficou na memória foi essa: só eu de filho...E dos filhos, eu sou o que mais passo horas junto com ela, atualmente!

Por mais que você discorde, a minha mãe é a melhor mãe do mundo! kkkk

Já está comprovado cientificamente os benefícios de se blogar. Para mim também, só tenho sofrido coisas boas com ele: tornou-se uma companhia viva, embora seja virtual. "Aqui dentro", tudo tem vida, não para.

Teu texto está excelente! Parabéns!
Um beijo.
@Celitu

Cristiane Marino disse...

Oi Jô!

Sabe que essa semana pensei mesmo muito em você
eu imagino como é triste e difícil o primeiro dia das mães sem a mãe, mas você tem a graça de Deus de ter o Lilo que eu sei que é um dos maiores objetivos que te faz levantar da cama e batalhar por um mundo melhor. A propósito amei essa foto de vc e o Lilo brincando, prova da grande mãe e presente que você é! compreensiva, amável e tolerante! e a cada ano aprendendo um pouco mais sobre a incrível arte de ser mãe!

Mãe é única, nem sempre por natureza mas, se fazem ser!!!

Bjokas e um Feliz dia das Mães para você!
Quem sabe no ano que vem eu também não seja mãe rs!

Anônimo disse...

Amor só eu sei o quanto você é mãe, a dedicação e paciência que você tem com lilo é incrível.
Seu texto está lindo...
Sempre lembro de sua mãe sorrindo e contando suas estórias, sinto saudades, e sei que ela, onde estiver, está muito feliz de ter deixado uma filha e mãe maravilhosa que é você aqui cuidadando de seu netinho e perto de mim.
Ti amo...
FELIZ DIADAS MÃES, BEIJOS...
DE SEU ESPOSA QUE TE AMA DE MAIS.

disse...

Olá Tita! Obrigada por ser minha comentarista assídua...rs.Fico muito, muito feliz mesmo. Realmente, lembro-me de teu comentário, o sofrimento é grande, é ruim, mas, estamos cientes de que ninguém é para sempre, especialmente, nossas mães, por mais que doa, elas partirão mais dia, menos dia. Dê tudo de bom de si para ela e não se arrependerá, com certeza. Feliz dia para todas as corajosas que assumiram esta árdua (e muito gratificante)tarefa de educar.Bjins pra ti que também é mamãe!

disse...

Oi Celitu!(apelido de Marcelo? Provável que seja da infância, inclusive, não é?), sobre infância a gente tem muitas recordações guardadas aqui do lado esquerdo do peito com nossas mães, é maravilhoso lembrar de cada uma, suscitam sentimentos arraigados que, apesar da correria dessa vida de "gente grande", não se perdem (e nem devem!), e concordarei contigo: sua mãe é a melhor do mundo,todavia,a minha também!hehe!
Quanto ao "blogar", concordo com o que você disse integralmente: é uma experiência que vai aprimorando não só o ato da leitura e da escrita, é algo que transcende, vai muiiiito além! Bjins e obrigada por sempre aparecer por aqui com seus lindos, conscientes e inteligentes comentários. Isso é o que todo blogueiro adora! Até mais!

disse...

Oi Cris! Obrigada pelos elogios e a foto ficou boa porque o Adriano e você capricham no trabalho (apesar dos modelos aqui serem lindos por natureza...hehe!). Brincadeiras à parte: foi triste o sentimento de ausência, contudo, meu irmão apareceu com a família, vimos a mami no dvd do casório dele e no meu (há mais de 10 anos), porém, foi bom matar a saudade de vê-la, feliz em estar "casando" os filhos, triste por perdê-los das asas...a vida é assim! Que bom podermos ter vivido emoções desse tipo e muitas outras depois com ela, alegro-me, então, com tais lembranças e com o meu baby tão fofo e "gotoso". Espero sim que você logo possa comemorar esse dia com um baby só seu e sentir na pele essa sensação de ser mãe. É maravilhosa! Bjins e até mais!

disse...

Oi Mozão! Que surpresa você comentando aqui num dia tão especial, foi bom demais! Obrigada por ser um pai presente em todas as horas também, assim, tenho segurança de ser melhor mãe ainda. Sei que você sente saudades da sogrinha, embora sempre haja intriga da oposição(rs), mas, bem sabemos que a mãe "puxava seu saco" sempre que podia, ela sempre o considerou o melhor genro do mundo e, de fato, é. Você segurou a barra conosco naqueles dias escuros e está sempre do lado da família para o que der e vier, por isso também digo TE AMO e AMO NOSSO FILHO, são os homens da minha vida! Bjos!Bjos!Abraços apertados!