sexta-feira, 1 de maio de 2009

REFLEXÃO - 1º DE MAIO

Veja só! Logo hoje, feriadão do Dia do Trabalho, não tive tempo para postar minha reflexão antes desta sexta-feira quase acabar? Por quê?
Bem, quem pensou nisso, acertou em cheio...kkkkk! Não acredita? É verdade, felizmente... Por que "felizmente"? Ah! Simplesmente porque fui feita à imagem do Todo Poderoso e Ele, certamente, não se queixa, apenas, Trabalha!E olha que a humanidade dá trabalho, hein!
E sobre o tema trabalho há muito o que se discutir: leis, carga horária, salários, primeiro emprego, desemprego, abonos, vales, capacitação, direitos e deveres, etc., etc., etc.
Pensando nisso, circulei pelo site Momento onde encontrei e postei um texto belíssimo da sexta-feira Santa e hoje, novamente, apresento outro texto retirado de lá, uma vez que o mesmo representa uma parte importantíssima desse universo do Trabalho: a Alegria. Sim, deve haver alegria no trabalho, caso contrário, o muito do tempo que dedicamos a ele terá sido em vão. Às vezes soa até hipócrita dizer tal coisa, principalmente naquelas horas em que dá vontade sair correndo e pedir demissão! Entretanto, devemos encontrar algo que nos faça bem, por mais controverso e difícil que pareça nesse sentido. Todos queremos fazer algo que gostamos, que nos preencha... mas, mesmo aquilo de que se gosta, se nos é dado em excesso, enjoa, concorda?
Desejo que o final de semana seja ALEGRE para você, especialmente, para quem procura...

Trabalhar com alegria

Havia uma fazenda onde os trabalhadores viviam tristes e isolados uns dos outros.
Eles estendiam suas roupas surradas no varal e alimentavam seus magros cães com o pouco que sobrava das refeições.
Todos que viviam ali trabalhavam na roça do senhor João, dono de muitas terras, que exigia trabalho duro, pagando muito pouco por isso.
Um dia, chegou ali um novo empregado, cujo apelido era Zé alegria. Era um jovem agricultor em busca de trabalho.
Foi admitido e recebeu, como todos, uma velha casa onde iria morar enquanto trabalhasse ali.
O jovem, vendo aquela casa suja e abandonada, resolveu dar-lhe vida nova.
Cuidou da limpeza e, em suas horas vagas, lixou e pintou as paredes com cores alegres e brilhantes, além de plantar flores no jardim e nos vasos.
Aquela casa limpa e arrumada destacava-se das demais e chamava a atenção de todos que por ali passavam.
Ele sempre trabalhava alegre e feliz na fazenda, por isso tinha o apelido de Zé alegria.
Os outros trabalhadores lhe perguntavam: como você consegue trabalhar feliz e sempre cantando com o pouco dinheiro que ganhamos?
O jovem olhou para os amigos e disse: bem, este trabalho hoje é tudo que eu tenho.
Ao invés de blasfemar e reclamar, prefiro agradecer por ele. Quando aceitei trabalhar aqui, sabia das condições.
Não é justo que agora que estou aqui, fique reclamando. Farei com capricho e amor aquilo que aceitei fazer.
Os outros, que acreditavam ser vítimas das circunstâncias, abandonados pelo destino, o olhavam admirados e comentavam entre si: “como ele pode pensar assim?”
O entusiasmo do rapaz, em pouco tempo, chamou a atenção do fazendeiro, que passou a observá-lo à distância.
Um dia o sr. João pensou: “alguém que cuida com tanto carinho da casa que emprestei, cuidará com o mesmo capricho da minha fazenda.”
“Ele é o único aqui que pensa como eu. Estou velho e preciso de alguém que me ajude na administração da fazenda.”
Num final de tarde, foi até a casa do rapaz e, após tomar um café bem fresquinho, ofereceu ao jovem o cargo de administrador da fazenda.
O rapaz aceitou prontamente.
Seus amigos agricultores novamente foram lhe perguntar:
“O que faz algumas pessoas serem bem sucedidas e outras não?”
A resposta do jovem veio logo: “em minhas andanças, meus amigos, eu aprendi muito e o principal é que: não somos vítimas do destino. Existe em nós a capacidade de realizar e dar vida nova a tudo que nos cerca. E isso depende de cada um.”
Pense nisso!
Toda pessoa é capaz de efetuar mudanças significativas no mundo que a cerca.
Mas, o que geralmente ocorre é que, ao invés de agir, jogamos a responsabilidade da nossa desdita sobre os ombros alheios.
Sempre encontramos alguém a quem culpar pela nossa infelicidade, esquecidos de que ela só depende de nós mesmos.
Para encobrir sua indolência, muitos jogam a culpa no governo, nos empresários, nos políticos, na sociedade como um todo, esquecidos de que quem elege os governantes são as pessoas; que quem gera empregos são os empresários, e que a sociedade é composta pelos cidadãos.
Assim sendo, cada um tem a sua parcela de responsabilidade na formação da situação que nos rodeia.
E para ser feliz, basta dar ao seu mundo um colorido especial, como o personagem desta história que, mesmo numa situação aparentemente deprimente para os demais, soube fazer do seu mundo uma realidade bem diferente.
E conforme ele mesmo falou: existe em nós a capacidade de realizar e dar vida nova a tudo que nos cerca.
Pensemos nisso!

Fonte do texto: Equipe de Redação do Momento Espírita, a partir de conto de autoria de Eliane de Araujoh, extraído do livro Histórias para sua Criança Interior, ed. Roca.
Fonte das imagens: Google

5 comentários:

tita coelho disse...

Jô que ótimo texto! Por sinal, os textos aqui encontrados são sempre bons, Jô.
Quanto ao trabalho... Bem tb fui eleita para trabalhar no dia do trabalho kkkkkkkkkkkkkkkkk
Beijos guria :)

Cristiane Marino disse...

Oi Menininha!

Gostei muito desse texto, inclusive hoje eu e o Dri falávamos sobre isso que comenta em seu texto, nós podemos fazer algo com nosso destino e em alguns momentos escolhemos o que queremos ter, cada decisão é muito importante e pode transformar nossas vidas, veja naquele filme que nos emprestou "Desejo e reparação"! ótimo filme, aliás todos, pois já assistimos quase todos que nos emprestou rs.
Aproveito o espaço para falar de um assunto muito sério Jô, por acaso num blog amigo de educação encontrei chamada para uma blogagem dia 18 de maio (se não me engano) achei muito interessante o tema que fala sobre a proteção à infância...acho que vale a pena usarmos o espaço que temos na net para fazer algo. Eu fiz o pedido para participar, estou aguardando...
Bjokas

Cristiane Marino disse...

Olha o link caso queira ver:

http://diganaoaerotizacaoinfantil.wordpress.com/2009/04/20/segunda-blogagem-coletiva-em-defesa-da-infancia-2009/#comment-6690

Copia e cola na sua url.
Bjins

disse...

Tita! Que beleza de elogio e,ainda mais vindo num dia tão TRABALHOSO feito esse...kkkk! Nós duas nos saímos muito bem "eleitas" assim, hein!kkkk! Obrigada de coração, fico muito feliz que você aprecie o que escrevo e os textos que escolho para expor pontos de vista, reflexões, etc. Comentários assim fazem a gente continuar sempre melhorando.Bjins pra ti!

disse...

Oi Cris! Já assistiram aquela pancada de filmes? Aproveitaram o feriadão, hein!hehe! Isso mesmo, fazem bem! De fato, o "Desejos e Reparação" é maravilhoso, profunda reflexão sobre essas escolhas que fazemos, podem mudar todo o curso de nossas vidas (e a de outras também). Sobre a blogagem do dia 18 fico de pensar, ok? Não que o tema seja menos importante, é que mês de maio pra mim é meio corridinho, já sabe o motivo, né? Mas o assunto é muito importante sim, vale a pena saber mais. Bjins e obrigada!