sexta-feira, 3 de julho de 2009

REFLEXÃO - Por amor ou pela dor?

"O burro nunca aprende, o inteligente aprende com sua própria experiência e o sábio aprende com a experiência dos outros".Provérbio chinês

Tenho pensado em postar algo sobre um assunto pertinente ao meu trabalho e, principalmente, a todos nós sujeitos ao vírus da influenza A(H1N1), que começaram a chamar de gripe suína e que foi erroneamente interpretada por isso (então, a culpa é do porquinho?), por conta desse alarde muita gente ficou apavorada em consumir a carne e, consequentemente, os suinocultores não ficaram muito felizes com o termo, eu também não, simplesmente pelo fato de achar o nome horroroso, concorda? Gripe A(H1n1) soa mais "bonitinho" que gripe suína...rs. Enfim, creio que o mal-entendido tem sido desfeito aos poucos. Ah! Tenho um cunhado que acredita na "teoria da conspiração", pode ser que queiram super valorizar a produção da vacina ou algo parecido para o controle da nova gripe e disseminaram o vírus criado em laboratório, também tem gente que acredita que alguns grupos queiram acabar com o hábito de comer carne suína e impuseram o termo primeiro para disseminar o medo! Quem sabe!
Quais os sintomas? Todos perguntam. Oras, os mesmos de qualquer gripe! Por isso a população se torna alvo fácil dessa nova mutação, nosso organismo ainda não criou defesas, felizmente, muitos de nós supera e superará muitas gripes, contudo, não pensemos em nós somente, pensemos, sobretudo, em crianças, idosos, imunodeprimidos e tantas outras pessoas que poderão ser acometidas pela gripe A(H1N1) e necessitarão de leitos hospitalares, os quais, se requisitados em número maior que o disponível, disputados com outras doenças além da nova gripe...isso não vai prestar, já viu esse filme antes? Eis aqui um belo conselho que ouvi de uma enfermeira, porta-voz das ansiedades dos funcionários envolvidos no trabalho e também expostos a mais essa doença, dentre as que já conhecemos e convivemos: antes de nos preocuparmos apenas quanto à letalidade da gripe A(H1N1), cuidemos para que a epidemia não caia sobre nossas cabeças feito uma avalanche. E como? Cuidados básicos para começar a prevenção e controle, ou seja: lavar bem as mãos com água e sabonete antes das refeições, após espirrar, tossir ou usar o banheiro; evitar tocar olhos, nariz e boca após contato com superfícies; proteger com lenço descartável ou papel higiênico a boca e nariz ao tossir ou espirrar; indivíduos suspeitos ou confirmados da nova gripe devem ficar em casa em repouso (exceto casos de risco), com alimentação balanceada e ingerir muito líquido; manter ambientes ventilados; evitar as aglomerações desnecessárias. São medidas simples que podem contribuir muito para que, de fato, não sejamos nocauteados por mais essa epidemia, lembre-se do que foi a dengue sem a devida conscientização! Ainda continuemos a eliminar água parada, hein! O Aedes Aegypti está à espreita, aguardando nosso vacilo em meio a essa nova epidemia.
Desde a semana passada, quando pela primeira vez tivemos uma suspeita da nova gripe (ainda sem confirmação, pois os exames "viajam" aos laboratórios responsáveis e tudo isso demanda tempo), sei que foi um rápido "Deus nos acuda!", todos os funcionários colocando máscaras, isolando a paciente, atordoados, como quem diz "E agora? Que faremos? A danada chegou aqui também?" (como se o vírus precisasse de passaporte ou convite para cruzar fronteiras, não é?), entretanto, aquele susto súbito do que é inevitável batendo em nossa porta passou, buscamos mais informações, recebemos mais instruções sobre o planejamento que o ministério veicula para os que trabalham com saúde (às vezes sem...) e pela saúde! Tal episódio fez-nos crer que o vírus nos encontrou no mapa: Ai Jesus! Que bichinho esperto, hein!
Agora sério! Vi outro dia um breve lembrete sobre a inevitável epidemia que está chegando ao Brasil, ainda que na referida propaganda o médico diga estarmos "preparados" para a tal gripe. Estamos mesmo preparados para o ataque do "inimigo invisível"? É a pergunta que me faço atualmente e a repasso para quem queira saber como uma epidemia é capaz de suplantar nossa inteligência, daí a citação que fiz questão de colocar logo no topo do post e que também inspirou o título de hoje. Quantas vezes você já ouviu te dizerem: "se não for por amor, será pela dor...", na intenção de alertar que algo precisa e será feito, de um jeito ou de outro. No caso da saúde, seria melhor que fosse por amor, todavia, nem sempre é possível, a dor está (quase) inexoravelmente atada a nossa realidade. Façamos com que ela seja minimizada e evitada, se tanto!
Como "façamos"? Quem tem que fazer não são os órgãos responsáveis pela saúde?
Sim e não. Sim no quesito informar ao máximo possível, conter os "invasores"da melhor maneira que puder, cuidar, tratar e monitorar os que forem expostos. Aqui abro um parênteses (o que diferencia a gripe A(H1N1) nesse momento das outras é o fator CONTATO: apareceram sintomas de gripe? Esteve viajando nos últimos 7 dias? Esteve em contato com quem viajou recentemente e também apresenta sintomas? Esses "contatos" têm nome e endereço ou são apenas frutos de um diz que me diz? Foram ao médico e confirmaram a gripe referida por exames, ou ainda, são suspeitos até que os resultados saiam? Estão em isolamento domiciliar?).E não, quando digo que cada pessoa é responsável pela transmissão e disseminação do vírus, caso não se comprometa com a prevenção e controle, achando que é problema dos outros, tornando-se uma grande aliada do vírus mutante.
Parece um tanto desumano falar em isolar alguém, não acha? Contudo, sem vacina ou remédios apropriados e prescritos por médico, aliás, não se automedique! Pode ser fatal!É um verdadeiro tiro no pé! A opção que sobra viável para o momento é o isolamento, evitando assim que o vírus se dissemine descontroladamente como já ocorreu com toda América do Sul, mais drasticamente com nossos vizinhos e, desse modo, "por amor" daremos preferência aos casos mais graves que venham a surgir.
Imagina se todos que derem um espirro correrem aos postos e hospitais já autodiagnosticando a nova gripe? Colapso total! Além de não ser nada inteligente "aglomerações", lembra? Por ora tenho percebido uma certa letargia por parte das pessoas, olham-nos de máscara e até acham engraçado: "Olha, é verdade que a nova gripe já chegou aqui!" - isso porque não há um caos instalado, parece que estão só esperando por ele para tomar consciência real do que o mundo "lá fora" vem enfrentando. Também não vá esperar mais que 48 horas cheio de sintomas e ainda se encaixando naquele parênteses ali atrás, ok? Nem 8 nem 80, por favor!
Volto ao provérbio do início: seremos burros, inteligentes ou sábios ao lidar com essa situação?
Claro que eu desejo o último!
Não esquece de lavar as mãos depois de mexer nesse teclado e nesse mouse, hein! Quantos já os usaram hoje?
Bom humor é algo que não deve ser confundido com irresponsabilidade, com falta de conscientização ou descuido desde agora, eis porque fiz uso dessas charges. Confira outras no link da fonte de imagens.
Bom final de semana para todos nós!

Fonte das imagens: Kibeloco

8 comentários:

tita coelho disse...

Jô,
O que me deixa mais preocupada nessa questão toda é a falta de remédios e a baderna que está sendo com a saúde (bem o normal da nossa saude é essa baderna). Mas o Brasil não está preparado para uma surto de gripe A.
Teu post está ótimo e cheio de dicas para as pessoas. Aqui na minha cidade foram diagnosticados dois casos de gripe A... Dá desespero menina.
Beijos bom findi :)

disse...

Tita, eu também sinto essa insegurança que referiu no teu comentário, por isso postei sobre o assunto, queria tê-lo feito antes, mas, as informações chegam truncadas porque é tudo muito recente, hoje atuamos assim, amanhã assado, entende? Porque não se sabe que proporções o surto pode tomar, entretanto, acredito que cada estado tenha seu direcionamento, apesar do SUS dizer-se "único", não significa que o Brasil siga as mesmas determinações, veja o estado de São Paulo que já é o mais acometido, os demais tomam posturas diferenciadas, embora o básico valha para todos: higiene e controle! Cada realidade é diferente e no quesito saúde não seria novidade esse ar de "baderna", entendo o que quer dizer: falta informações, treinamento, funcionários, médicos, leitos, hospitais, etc,etc,etc, já sabemos, né? Fiz questão de frisar o quanto somos corresponsáveis nesse momento, pois, depender exclusivamente do que o SUS oferece é ser crédulo demais. Informação e prevenção é tudo (isso é amor ao próximo!)Cuidemos de nós e dos nossos sempre. Bjins pra ti e até mais!

entremares disse...

Foi bom ler o teu post e concordar que o bom senso é sempre a melhor prevenção...

Como imaginas, aqui em Portugal, a situação também começa a ser falada... mas pouco, muito pouco. Infelizmente, aqui pensa-se sempre que a tragédia vai bater sempre na porta do vizinho...

Um óptimo domingo para você.

disse...

Olá Entremares! Bom saber que meu humilde post também ultrapassou fronteiras e chegou até você em Portugal. No Brasil não é diferente, muitos ainda estão "tranquilos", como se fossem imunes à nova gripe, entretanto, é o que me preocupa muito, esse ar de "está tudo bem conosco" tende a eclodir como ocorreu com a dengue há uns anos, seria péssimo, por isso a importância da prevenção e do bom senso como bem percebeste! Bjins pra ti e até!

Valdeir Almeida disse...

Jô, eu, particularmente, estou assustado. Não pela gripe em si, mas pela possível dificuldade com que o governo lidará com a questão. Aqui na Bahia, por exemplo, a saúde está um caos.

Aproveito a oportunidade para dizer que voltei a blogar. Quando você tiver um tempinho, aparece lá em meu blog.

Abraços.

Adriano Matos disse...

Puxa, eu li o post outro dia, pensei ter comentado rs, mas sei lá o que houve...
Jô eu e o Dri ficamos pasmados, minha amiga veio da Flórida nos visitar, e ela veio e voltou e ninguém nos aeroportos perguntaram ou fizeram nenhum tipo observação com ela a respeito da gripe A. Isso me assusta, achei descaso.

Bjosss

disse...

Oi Valdeir! Bons ventos o trazem! Sinto a mesma preocupação quanto à gripe, como escrevi no post podemos passar por ela, contudo, outros menos privilegiados no quesito imunidade, não! Eis nosso temor: a saúde não está preparada como divulga e o faz ainda de modo rápido e pouco enfatizador na propaganda. Pode virar um caos sim e será um "salve-se quem puder", "Deus nos acuda!" e todo repertório dos velhos e sábios ditados que usamos nessas situações. Espero que o governo dispense mais ações divulgando incansavelmente as formas de prevenção para que a população não seja vítima de outra epidemia como foi com a dengue há uns anos. Tenho notado as pessoas muito assim: "só aconteceu lá fora, aqui tá tudo bem!". Xii...
Aparecerei em teu blog sim, estou meio assoberbada por aqui, mas, com certeza assim que der estarei por lá! Bjins e seja bem-vindo novamente!

disse...

Oi Adriano e Cris! Pra não dizer que só o Brasil é que está agindo com certo "descaso", não é? Outros países lá fora já perderam as contas dos infectados por isso mesmo, por falta de prevenção e divulgação adequadas, infelizmente. Rezemos para que as coisas no nosso país não tomem proporções maiores, que possamos conter ao máximo e prorrogar a disseminação do vírus o maior tempo que for possível, para o inverno, que é mais propenso às gripes, passe logo sem maiores estragos. Assim seja! Bjins pra vocês e até mais!